Existem dois tipos de hiperidrose, ou transpiração excessiva, a localizada e a generalizada.

A generalizada muitas vezes pode ser um sintoma de uma situação patológica de base, como a obesidade ou doenças relacionadas com a tiroide, por exemplo.

No caso da hiperidrose localizada, a pessoa transpira excessivamente mas de uma ou várias zonas delimitadas do corpo – como axilas, mãos, pés, fundo das costas, etc.

Temos um mecanismo que faz uso da transpiração no controle da temperatura corporal e não sendo isso já complexo o suficiente temos ainda uma zona cerebral que também controla a transpiração em situações ditas emotivas, como é o caso da ansiedade ou do estresse.

Claro que todos os passos destes processos podem fazer com que algumas pessoas transpirem mais ou recorram mais ao processo de transpiração.

 

“A hiperidrose pode efetivamente ter suficiente repercussão para restringir muito a qualidade de vida das pessoas, limitar a sua interação social, criar certos prejuízos a nível de carreira ou de interação íntima”,

A bromidrose, que é uma situação que poderá não estar em simultâneo com o excesso de transpiração, caracteriza-se por uma transpiração com um odor muito marcado.

Estas pessoas, por exemplo, a nível profissional vão sentir uma repercussão muito mais rápida do que as pessoas que sofrem de hiperidrose, porque as pessoas com hiperidrose vão ao longo dos anos adquirindo certas táticas de ocultação. Ao passo que no caso de bromidrose a manifestação é mais exuberante e as pessoas ressentem-se ainda mais.

Áreas mais comuns afetadas pela Hiperidrose:

 

1 – Rosto

2 – Couro cabeludo

3 – Corpo: abdômen, costas, etc.

4  – Axilas

5 – Virilhas e demais áreas íntimas

6 – Mãos

7 – Pés